Vendemos mal?


VENDEMOS MAL?
Nos últimos dias, o principal assunto relacionado ao Botafogo foram as vendas de 2 jogadores: Matheus Fernandes e Igor Rabello. O primeiro já teve a negociação concretizada, enquanto falta muito pouco para o zagueiro fechar com o Atlético Mineiro.
A maioria dos torcedores que converso, julga que o Botafogo fez maus negócios. Inclusive, chovem críticas à diretoria nas mídias sociais, sobretudo em relação aos valores recebidos pelo Glorioso.
Mas realmente vendemos mal esses jogadores?
A análise se baseia apenas no critério financeiro, deixando de lado outros aspectos que entendo serem subjetivos. Como por exemplo, o potencial de crescimento técnico dos jogadores ou a capacidade para se tornarem ídolos no Clube ou mesmo a questão de estarmos reforçando concorrentes nacionais.
Matheus Fernandes
O meio campista iniciou sua trajetória no time profissional durante a copa libertadores de 2017. Parecia que se tornaria craque rapidamente, porém oscilou bastante nos 2 anos subsequentes e amargou o banco de reservas algumas vezes.
A venda para o Palmeiras rendeu cerca de 16 milhões de reais ao Botafogo por 75% dos direitos do jogador. Os outros 25% continuam com o Glorioso.
O que isso significa?
Que se o garoto for negociado pelo Palmeiras futuramente, o Botafogo ganhará 25% do montante da transação. Na prática significa que para o Palmeiras ganhar mais do que o Botafogo em uma transação futura, precisará vender o jogador por mais de 60 milhões.
Explicando:
Se ele for vendido, por exemplo, por 60 milhões de reais, o Botafogo ganhará mais 15 milhões. Esse valor somado aos 16 milhões que já ganhamos dará 31 milhões. Já o Palmeiras lucrará apenas 29 milhões ( 45 milhões restantes da venda menos os 16 milhões que já pagou ao Botafogo ).
Resumindo:
Se o jogador confirmar ser tudo o que os torcedores estão julgando que ele seja, ainda receberemos uma boa quantia. Se ele não se firmar na carreira, já teremos recebido 16 milhões garantidos.
Igor Rabello
Entendo que o General possui condições para se tornar ídolo, então sua venda foi mais traumática para muitos torcedores.
Por esse motivo compactuo com a sensação de repulsa em relação à venda do zagueiro. Porém, financeiramente o negócio não parece ter sido tão ruim. Mesmo achando que as informações sobre as condições da venda ainda estão desencontradas.
Pelo divulgado pela mídia, tínhamos apenas 60% dos direitos do jogador e após a venda ficamos com 30%. Caso as informações apresentadas não estejam erradas, também receberemos uma boa quantia por uma nova venda do jogador.
Se o jogador se destacar no Galo e for vendido, por exemplo, por 33 milhões, receberemos mais 10 milhões, o que totalizará 23 milhões para os cofres do Botafogo (13 que já ganhamos mais esses 10). Nada mal para quem só possuía 60% dos direitos do jogador.
Enfim, o assunto é polêmico, pois mexe com a paixão do torcedor em um momento de muitas incertezas em relação à formação do elenco pra 2019.
Meu objetivo não foi justificar a venda, muito pelo contrário, busquei apenas jogar um pouco mais de luz sobre o assunto e abrir um diálogo com os irmãos de camisa.
E ai? O que vocês acharam?

Vendemos mal? Vendemos mal? Reviewed by Ricardo Ribeiro Baldanza on janeiro 04, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário

Publicidade

FogoNotícias