Ganhando corpo e criando variações.

Jogo ruim no Alto da Glória, qualquer resultado que não fosse o empate, não seria justo. Para o botafoguense, fica a sensação que, poderia ter trago os 3 pontos, assim como para os coxas brancas, principalmente por terem jogado em casa, mas os dois times pareciam com mais medo de perder do que vontade de ganhar. Só vale lembra que, times como Palmeiras e Inter, não venceram o Coxa jogando lá, logo, acho super válido esse ponto.

 Logo de cara, não concordei com a escalação, lógico que, ninguém é maluco de botar um jogador sem está 100% (ou é?), mas estava claro que Camilo e Sassá não estavam nas suas melhores condições. Quase não treinaram durante a semana, será que era realmente necessário começar com os dois? O jogador passa a sensação de insegurança, fica claro que ele não consegue da o seu melhor.

Acho que o Ricardo poderia segurar pelo menos, um dos dois. Não acho que ele começou errado por ter entrado com três atacantes, e sim por que botou dois jogadores que não treinaram e não estavam 100%. No futebol de hoje, não tem mas essa de 3 atacantes, tem que ter equilíbrio em todos os setores, isso explica a tão contestada substituição de Neilton no intervalo, já que Pimpão vem sendo muito criticado.

Pimpão não é craque, nunca foi, é um jogador razoável, porém está sem ritmo de jogo, veio do mundo árabe, onde o futebol é devagar, porém com o esquema adotado por Ricardo, os atacantes precisam voltar, e ele faz isso muito bem, já Neilton, não fazia na série B e continua não fazendo, precisa melhorar um pouco na parte de comprometimento, principalmente se Ricardo manter esse esquema como o principal, isso explica a opção por Pimpão em Curitiba.

Primeiro tempo muito ruim do Botafogo, não saímos perdendo, graças a uma defesa SENSACIONAL do Sidão, que creio que, nem ele sabe como fez. Voltamos melhor com Leandrinho no meio junto com Camilo, nada que nos fizesse merecer a vitória, mas já abre uma outra possibilidade de esquema para o Ricardo Gomes, isso não nos deixa previsíveis, gera dúvida nos adversários., nos da variações, enfim, uma série de ganhos.

Antes do clássico, temos um compromisso no meio de semana contra o Bragantino pela Copa do Brasil, Ricardo deve poupar os titulares e ir com um time alternativo, decisão acertada na minha opinião, principalmente para um time que tem convivido com lesões atrás de lesões. Sábado iremos com força máxima depenar o urubu e consolidar de vez a nossa reabilitação no campeonato. Vou lançar a minha opinião para uma possível escalação na quarta: Sidão, Diego, Carli, Emerson Silva e Vitor Luis; Bruno Silva, Fernandes, Yaca e Leandrinho; Salgueiro e Luis Henrique. Acho que ele não vai fugir muito disso, aguardemos...

Com o departamento médico quase vazio, ganhamos corpo e criamos outras variações táticas. Gosto do trabalho do Ricardo até o momento, mas tem vezes que a incoerência domina ele. O que foi aquela entrada de Vinicius Tanque no sábado? Como pode o cara ser de renegado a aproveitado tão rapidamente? Já vimos situação parecida com Otávio, fora o não aproveitamento de Lizio (que está machucado) e as milhares de chances distribuídas para Gegê, Yaca e Salgueiro, enfim, coisas que só nosso treinador pode explicar. Volto a afirmar: esse time completo, sem invenções do Ricardo, fica entre os 10 primeiros sem maiores problemas, se vai acontecer, isso é outra história.

Saudações.
Ganhando corpo e criando variações. Ganhando corpo e criando variações. Reviewed by Leonardo Machado on julho 11, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário

Publicidade

FogoNotícias