FOSTE HERÓI EM CADA JOGO, BOTAFOGO!

Foto: Cleber Mendes/ LANCE!Press

Com uma vitória heróica, o Botafogo avança para a final do Carioca 2015 

Raça, garra e determinação. São esses adjetivos que definem a vitória, nos pênaltis, do Glorioso. 


O JOGO  

 Precisando do resultado e jogando em casa, o Botafogo foi pra cima desde o inicio. 
 Logo aos 15 segundos, em uma arrancada, Elvis sentiu a coxa e obrigou o técnico René Simões a fazer uma substituição precoce. Mesmo com desconfiança da torcida pelas últimas atuações, Gegê foi à campo.  
 O time não se abalou e continuou pressionando a equipe tricolor. E aos 5 minutos de jogo, após lançamento, Bill desviou e a bola sobrou para Pimpão, que impedido, encobriu Cavalieri. Fernandes só empurrou para rede. 1 a 0. 
 O alvinegro manteve a posse de bola, e aos 15 minutos, Gilberto foi na linha de fundo, bateu cruzado, mas Pimpão não conseguiu desviar e a bola passou por todos.  
 Foi só pressão! 
 Aos 19, Carleto cobrou falta na área, a zaga afastou mal e Pimpão emendou um voleio que por muito pouco não entrou. 
 Após a parada técnica, aos 22, Gegê roubou a bola no meio de campo e passou para Gilberto, que em linda enfiada, pôs Bill de cara pro gol. O atacante bateu mal e o goleiro defendeu. No rebote, ele marcou. 2 a 0 Bota. 
 Com o relógio marcado 25 minutos, Pimpão, com um lençol de chaleira, passou por Wellington Silva, mas cruzou mal. 
 O Flu só acordou pro jogo aos 29. Wagner colocou a bola na área e Gum cabeceou no travessão.  
 O jogo esfriou um pouco e o Fluminense conseguiu colocar a bola no chão. No minuto 42, Wagner lançou Kenedy, que invadiu a área, e em disputa com Renan caiu. O árbitro marcou o pênalti.  
Jean, com categoria, bateu e descontou mo marcador. 2 a 1 e fim da primeira etapa. 

 Na volta para o segundo tempo, Drubscky sacou o experiente Wagner e lançou Robert, prata da casa tricolor. 
 A mudança deu certo, e logo aos 2 minutos o jovem meia lançou Kenedy, que sozinho, invadiu a área, mas demorou para finalizar. A zaga se recompôs e o atacante finalizou mal. 
 Aos 5', Giovanni tabelou com Gerson. O lateral bateu cruzado, mas ninguém concluiu. Tiro de meta. 
 Logo em seguida, numa disputa de bola, Fernandes, o meia alvinegro, levou a pior e sofreu um corte no rosto. O acidente fez com que René queimasse mais uma substituição. Luis Ricardo entrou em seu lugar.  
 O jogo mudou. O Fluminense mantinha a posse de bola e o Botafogo só saía em contra ataque.  
 Os jogadores alvinegros sentiram o cansaço devido a disputada partida da ultima quarta, contra o xará paraibano, e o time tricolor se aproveitou disso, Com 18 minutos, 5 jogadores tricolores atacaram 4 defensores do Bota, mas não souberam aproveitar. Giaretta cortou. 
 Pimpão saiu para entrada de Jobson. Do lado tricolor, Giovanni deu lugar a Renato. 
 E logo no primeiro lance, Jobson mesmo sem ângulo mandou uma bomba com a perna direita. Cavalieri espalmou e a zaga afastou. 
 Marcelo Mattos e Gilberto sentiram cãibras. Bill machucou o tornozelo. Mas não poderia ser feita mais nenhuma alteração. Os jogadores tiveram que colocar o coração na ponta da chuteira e continuar a partida. 
 Com o cansaço do Botafogo, o Flu foi pressionar no ataque. Aos 32, Gum, mais uma vez, acertou o travessão.  
 Muito mais inteiro em campo, o time das Laranjeiras dominou a partida. Mas os aguerridos jogadores da estrela solitária não se entregaram e foram até o limite. 
 O Glorioso conseguiu fazer o tempo passar, mas no final do jogo, Wellington Silva, lateral tricolor, cabeceou perigosamente. Renan fez a ponte e ficou com a bola. Foi o último lance perigoso da partida. Era a hora da disputa de tiros livres direto, o pênalti. 

A DISPUTA DE PÊNALTIS 

 Logo na primeira cobrança, Renan defendeu o pênalti de Kenedy. Mas na sequência, Cavalieri também acertou o cantou e defendeu a batida do exausto Marcelo Mattos. 
 Em seguida, Jean e Gegê marcaram. 
 No terceiro round, Renan defendeu o chute de Gerson, e Gilberto marcou. Vantagem alvinegra. 
 Dali em diante, era só converter todos os pênaltis que o Fogão se classificaria. Mas na ultima cobrança, Diego Giaretta desperdiçou. 
 Nas alternadas, todos os jogadores marcaram e a disputa permaneceu empatada. 8 a 8.
 Era a hora da disputa entre os goleiros. Diego Cavalieri e Renan teriam que decidir.
 Cavalieri mostrou ser um ótimo cobrador de tiros de meta, e isolou. 
 A classificação estava nos pés do goleiro Renan, que com calma, escolheu o canto e deslocou o goleiro adversário. Bola no funda da rede. Fim de jogo. 
 Depois de muita luta e suor, o Botafogo é o primeiro finalista do Campeonato Carioca 2015. 


 Foi uma partida de entrega dos jogadores e da torcida que fez valer o fator casa, comparecendo ao estádio, esgotando os ingressos de dois setores (Norte e Oeste Superior), e em maioria apoiou a equipe desde a subida do túnel até o estádio do saudoso Nilton Santos ficar vazio. 
 O Botafogo segue invicto no Niltão 

MELHORES MOMENTOS


FICHA TÉCNICA:
BOTAFOGO (9) 2 X 1 FLUMINENSE (8)

Local: Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ) - 18h30
Árbitro: Péricles Bassols; Auxiliares: Dibert Pedrosa e Michael Correia
Renda e público: R$ 654.400,00/13.958 pagantes e 16.312 presentes
Cartões amarelos: Renan, Luís Ricardo (BOT)
Gols: Fernandes, 5'/1ºT (1-0); Bill, 22'/1ºT (2-0); Jean, 43'/1ºT (2-1)

BOTAFOGO: Renan, Gilberto, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Thiago Carleto; Marcelo Mattos, William Arão, Fernandes (Luís Ricardo, 11'/2ºT) e Elvis (Gegê, 2'/1ºT); Rodrigo Pimpão (Jobson, 19'/2ºT) e Bill. Técnico: René Simões.

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Wellington Silva, Marlon, Gum e Giovanni (Renato, 20'/2ºT); Edson, Jean, Gerson, Vinicius (Marlone, 30'/2ºT) e Wágner (Robert, intervalo); Kenedy. Técnico: Ricardo Drubscky.


Por: Renan Guedes


FOSTE HERÓI EM CADA JOGO, BOTAFOGO! FOSTE HERÓI EM CADA JOGO, BOTAFOGO! Reviewed by Renan Guedes on abril 18, 2015 Rating: 5

Nenhum comentário

Publicidade

FogoNotícias