COLUNA DO BRUNO SOUZA: Pra não dizer que não falei das flores (do lado bom)

Fala galera botafoguense de todo o Brasil!

O título da nossa coluna dessa semana, diz muito sobre ela. Esse espaço, que foi, e é crítico a maioria das vezes em que o assunto é a diretoria do Botafogo, hoje vai ressaltar um dos (poucos) pontos positivos dessa gestão: as divisões de base.

Com seu mandato chegando ao fim, o presidente Maurício Assumpção tem verdadeiramente pouco a comemorar (isso não reflete a visão que ele próprio tem), se um balanço de seus seis anos à frente do clube for feito. Mas, entre esse pouco a comemorar, a base alvinegra com certeza é o principal motivo de orgulho do presidente. Se a gestão de Bebeto de Freitas revelou apenas um, ou dois jogadores que se mantiveram em times grandes do Brasil após saírem do clube (de cabeça, só me lembro do zagueiro Rafael Marques e do volante Felipe Bastos) e deixou a base em segundo plano, com Assumpção foi diferente.

A base recebeu investimentos, foi valorizada e fortalecida nos últimos anos e como consequência, vemos o Botafogo ser juntamente com o Fluminense, o clube mais forte do estado quando o assunto é divisão de base e temos visto vários bons valores surgindo para o time profissional, e o maior exemplo, é o do zagueiro Dória. De 2009 para cá, o clube revelou ao menos um jogador para cada posição do campo e conseguiu ao menos cinco revelações que despontaram como bons jogadores.

Em tempos de vacas magras no futebol profissional, os títulos nas divisões de base tem sido um dos poucos motivos de alegria do torcedor alvinegro, quando o assunto é o futebol. Hoje, o torcedor botafoguense fala com orgulho dos jogadores que sobem da base para o profissional, pois sabem que esses jogadores tem bom potencial para representar bem o clube e dar muitas alegrias.

Além de motivo de orgulho, a base alvinegra tem sido de grande importância para as finanças do clube. O dinheiro das vendas de Jadson e Vitinho, ajudaram o clube no ano passado e com Dória e Gabriel, o clube deverá lucrar ainda mais quando ambos forem vendidos. Outros estão surgindo e também podem render bons lucros para o clube no futuro.

Pode parecer redundância, mas o futuro do Botafogo e de todos os times do futebol brasileiro em s´, dependerá cada dia mais das revelações das categorias de base, pois com a possível aprovação do Proforte num futuro próximo, os clubes terão que se adequar e ser mais responsáveis financeiramente. Com menos dinheiro para contratar, os jovens da base serão a solução, tanto financeiramente, como tecnicamente falando.

Cuidar das divisões de base, é cuidar em vários aspectos do futuro do clube e nesse sentido, o Botafogo voltou ao caminho correto nos últimos anos, e isso, se deve a gestão do presidente Maurício Assumpção.

É isso ai galera, vou ficando por aqui. Gostou da nossa coluna? Comente e compartilhe com quem possa interessar. Não gostou? Comente também e deixe o seu recado.

Saudações alvinegras e até a semana que vem!
COLUNA DO BRUNO SOUZA: Pra não dizer que não falei das flores (do lado bom) COLUNA DO BRUNO SOUZA: Pra não dizer que não falei das flores (do lado bom) Reviewed by bcfsouza on julho 13, 2014 Rating: 5

Nenhum comentário

Publicidade

FogoNotícias