Dias antes de clássico, presidentes de Fla e Bota debatem de forma amistosa

Foto: Reprodução/SporTV
Mandatários participaram do programa Seleção SporTV, no começo da tarde desta segunda-feira



Apesar das farpas trocadas nos últimos tempos nos bastidores, os presidentes de Botafogo e Flamengo deram um período de trégua, nesta segunda-feira. Carlos Eduardo Pereira e Eduardo Bandeira de Melo, mandatários do Alvinegro e do rubro-negro, respectivamente, participaram do Programa Seleção SporTV, no começo da tarde deste segnda.

No programa, os presidentes falaram da rivalidade entre os clubes, as provocações brigas entre torcidas organizadas, o caso Willian Arão e outros assuntos. Às vésperas de mais um clássico entre as equipes, a conversa entre os dirigentes teve um tom amistoso e sem provocações.

Confira o que o presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, falou sobre alguns assuntos:

Sobre o Flamengo jogar no Estádio Nilton Santos:

“O que nunca houve foi um acordo comercial. A questão é essa. O Botafogo tem o direito de buscar opções comerciais que o favoreça, e que o ajudem a fechar os custos do estádio” disse CEP, que completou falando sobre o fatídico 12 de fevereiro, dia em que um alvinegro foi morto pela torcida do Fla, no lado de fora do Niltão.

"Aquela tarde de 12 de fevereiro (morte de Diego Silva dos Santos) foi complicada, um momento traumático, e tivemos uma reação a um momento difícil. Mas volta a dizer, a prioridade é o entendimento comercial."

Saída de Willian Arão para o Fla

– O caso do Arão está sendo discutido na Justiça como toda ação civilizada. Você tem uma discordância e o dever de quem não está concordando é levar o caso para a Justiça. Foi exatamente o que foi feito e todos estão aguardando a decisão soberana da Justiça. Não é nada que continue a se desdobrar no ambiente do dia a dia. É algo que todo mundo está aguardando como resultado.

Devolução do estádio da Portuguesa

– Nenhuma (relação com o fato do Flamengo assumir o estádio). Nosso contrato com a Portuguesa ia até 31 de dezembro de 2016. Não se previa nenhum aditivo, prorrogação, nada além disso. Havia instrumento formal entre o Botafogo e a Portuguesa determinando quais seriam as obrigações que foram feitas, e o Botafogo fez até mais do que estava previsto. Chegou em 31 de dezembro, retirou as coisas que tinha colocado e que seriam úteis no retorno ao estádio Nilton Santos. Posteriormente, devolveu nas mesmas condições que recebeu, incorporando as melhorias, não houve nenhuma conexão ao próximo contrato da Portuguesa.

Engenhão x Nilton Santos

– Acho que em alguns momentos a gente tem que trabalhar essa questão de nome. É marketing. A gente escolheu o nome do Nilton por tudo que ele representou para o futebol brasileiro, mais especialmente para o Botafogo. Ele só tirou a camisa do Botafogo para vestir a da seleção brasileira. Eu que tive o privilégio de lidar como Nilton, meu pai frequentava General Severiano, e o Milton dizia para a gente que se sentia muito mais confortável com a camisa do Botafogo do que com a da seleção. Para nós é uma figura lendária. Reúne um nível de rejeição muito baixo entre as pessoas do esporte por ter sido sempre um símbolo da elegância. Em 2015, adotamos como nome fantasia, e agora o prefeito Crivella trocou oficialmente o nome para estádio Nilton Santos. Então o botafoguense sente quando ele não é chamado de Nilton Santos. Mas são coisas que podem ser superadas.

Dias antes de clássico, presidentes de Fla e Bota debatem de forma amistosa Dias antes de clássico, presidentes de Fla e Bota debatem de forma amistosa Reviewed by Igor Melo on setembro 04, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário

Publicidade